Growth Hacking: Conheça Esse Conceito e Aprenda Já Como Aplicar

Growth Hacking: Conheça Esse Conceito e Aprenda Já Como Aplicar

Tempo de leitura: 5 minutos

Se você ainda se pergunta o que é Growth Hacking, esse texto é para você! Nós vamos explicar esse termo de uma forma simples e daremos exemplos de como você pode aplicar o Growth Hacking na sua empresa, seja ela de pequeno, médio ou grande porte.

O que é Growth Hacking?

Quem inventou esse termo foi Sean Ellis e não por acaso que ele é CEO do GrowthHacking.com, conhecido hoje como o maior portal com conteúdos sobre o assunto.

Segundo Ellis, “Growth Hacking é marketing orientado a experimentos.” Em outras palavras, é a ação de encontrar oportunidades (hacks) para o sucesso, criando estratégias visando resultados muito rápidos para o crescimento de uma empresa.

A verdade é que o conceito é bem mais simples que a prática, pois encontrar esses “gatilhos” para serem acionados e promoverem o crescimento da empresa envolve muito experimento, análise e tentativas.

Quais as competências que um Growth Hacking deve ter?

Algumas empresas que começaram a aplicar essa estratégia acabaram criando o cargo de growth hacking. No entanto, há mais chances das técnicas de growth hacking darem certo quando o time inteiro de marketing deve ter o growth hacking como uma forma de pensar.

Um growth hacking, além de ter o conhecimento teórico e conceitual do marketing, deve entender profundamente de processos, metodologia de experimentos, de tecnologia e é claro, de psicologia do consumidor para saber os melhores gatilhos e quando utilizar cada um. Uma das áreas da psicologia do consumidor é a psicologia das cores. Nós já escrevemos sobre o emocional das cores aqui.

Outro conhecimento essencial é saber como o consumidor pensa, reage e é motivado ao longo da sua jornada de compra. Dessa forma, colocam-se em prática os conceitos de marketing para encontrar os gatilhos e experimentações voltadas ao crescimento da empresa.

Se você quer começar com o growth hacker na sua empresa, comece incentivando o seu time de marketing a pensar como um growth hacker. O seu time precisa aprender a encontrar, explorar e obter provas cientificas de quais são os gatilhos que gerarão crescimento da sua empresa.

Como colocar o Growth Hacking em prática?

Quem é da área de marketing já é bastante familiarizado com o funil de vendas. Você sabia que o growth hacking também tem seu próprio funil? E ele tem uma curiosidade bem interessante.

O funil do growth hacking é conhecido como o “Funil do Pirata” e foi batizado por Dave McClure. O funil do pirata tem esse nome, pois em inglês as iniciais dos cinco estágios do funil formam a palavra AARRR, que forma a interjeição pirata.

As ações do growth hacking são pensadas estrategicamente para otimizar um dos cinco estágios do funil do pirata.

Estágio 1: Aquisição ou Acquisition – reúne as práticas para atrair e conquistar um cliente.

Estágio 2: Ativação ou Activation – quando o foco é entregar a primeira boa experiência ao cliente.

Estágio 3: Retenção ou Retention – etapa em que os clientes estão satisfeitos e optam por continuar utilizando seu produto.

Estágio 4: Receita ou Revenue – quando os clientes estão gerando faturamento para a empresa.

Estágio 5: Indicações ou Referral – quando estão indicando seu produto ou serviço para amigos e conhecidos para se tornarem clientes também, indicação é a melhor e mais eficaz estratégia de marketing.

O primeiro passo é você identificar cada etapa do funil de piratas dentro da jornada do teu consumidor perante a sua empresa. Com isso, elenque em quais estágios apresentam problemas mais urgentes e comece aplicando growth hacking ali.

A importância de todo o time pensar como um growth hacker começa nesta etapa. Quando se identifica por onde começar, é preciso reunir o time de marketing e fazer um brainstorming, com o objetivo de gerar ideias para resolver o problema.

Para que você não se perca no meio de tantas ideias, a dica aqui é agrupar as ideias em cada estágio do funil e fazer uma rápida análise do como ela pode impactar, quanto custaria, qual a complexidade de implementação e qual a probabilidade de dar certo.

Na hora de selecionar as ideias, é indicado também você ler na internet se há casos de sucesso implementando ideias parecidas com a que o time de marketing deu e se tem mais informações relevantes que possam ajudar na seleção ou exclusão desta ideia no momento.

Com as ideias selecionadas, é hora de colocar em prática os experimentos. É uma fase de perguntas e estatísticas. Vamos a um exemplo mais prático: Supomos que há uma estatística que quando o cliente chega na hora de fazer o cadastro no site, há uma evasão de 30% deles. Ou seja, 30% abandonam o carrinho.

Será que o formulário de cadastro está muito extenso? Que tal tentar fazer um formulário menos complexo. Quais as informações que devem ser retiradas deste formulário? Como iremos compensar a perda dessas informações que antes eram perguntadas aos clientes?

Enfim, com essas perguntas definidas, cria-se um teste A/B para ver se há uma variação percentual. Com o teste realizado e os resultados objetivos, é necessário fazer uma análise deste experimento. Nesta etapa, o conhecimento de growth hacking é comprovar da maneira mais rápida que uma hipótese está ou não correta.

Agora que você sabe o conceito e como iniciar a estratégia de growth hacking na sua empresa, você pode começar a treinar essa forma de pensar dentro do seu time de marketing.

Deixe seu comentário